O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) subiu hoje a tribuna do Senado Federal para falar sobre a privatização da Companhia de Saneamento de Sergipe, a DESO. Valadares criticou a ideia do governador Jackson Barreto afirmando que a venda da estatal vai gerar aumento de tarifas, desemprego, além do uso eleitoral dos recursos.

“Em meio à crise, a privatização de empresas estatais tem sido apresentada, por alguns governos estaduais, com a solução para a melhoria da situação fiscal. Em Sergipe, porém, é inadmissível que a privatização da DESO seja a estratégia escolhida pelo governo para fazer o ajuste das contas públicas”, defendeu.

Para Valadares, uma gestão séria optaria, antes, pela redução no número de secretarias, de cargos comissionados, promoveria o uso mais eficiente dos recursos públicos, antes de vender suas empresas. “Não é à toa que a dívida de Sergipe já superou os R$ 6 bilhões. O Governo do Estado age sem responsabilidade. Os recursos que quer obter com a venda da DESO servirão, apenas, para cobrir o rombo que ele está criando nas contas públicas”, disse.

O senador lembrou que das condições da estatal. “A DESO vem sendo sucateada. Entre 2007 e 2014, a dívida da companhia cresceu mais de 2.000%”, disse. Para o senador o Governo de Sergipe deveria investir em uma melhor gestão da empresa. “Não é concebível, por exemplo, que a empresa perca 50% da sua água tratada com vazamentos nas suas estações, por falta de manutenção preventiva. Hoje, a empresa tem um faturamento de R$ 47 milhões, mas esse valor podia chegar a R$ 60 milhões se trabalhar para evitar o desperdício”, destacou.

Entre os riscos do processo de privatização, Valadares destacou a demissão dos mais 1.600 trabalhadores, o fim da tarifa social para milhares de pessoas e o aumento da tarifa que deve triplicar. O senador salientou que esse aumento nas tarifas vai prejudicar diretamente a industrialização no interior, já que a empresa atende mais de 50 pequenas e médias fábricas de derivados de leite que, somados, processam mais de 500 mil litros de leite por dia. “Para cada litro de leite processado, são necessários 3 litros de água tratada. Dessa forma, a produção será inviabilizada, gerando desemprego, inclusive, para o pequeno produtor de leite, que já não terá a indústria para comprar sua produção”, disse.

Valadares lembrou que os sergipanos tiveram uma experiência nefasta com a venda da Empresa Energética de Sergipe (Energipe), que não trouxe nenhum benefício pra Sergipe “A privatização gerou um aumento em mais de 200% e não trouxe nenhum benefício para os consumidores”, afirmou.

O senador conclui afirmando que a situação é muito grave. “Não vou deixar que o patrimônio dos sergipanos seja usado eleitoralmente, prejudicando a vida já tão difícil do nosso povo”, afirmou.

Por Assessoria de Imprensa (Brasília-DF)


Leia mais no Site do Autor